Talentos

Sais de Banho

SAIS DE BANHO

A sensação de abrir a última gaveta, reservada no guarda-roupa para objetos guardados e antigos, faz meu coração bater mais forte.

São óculos que tantas coisas fizeram-me ver, encontro uma gaita desafinada, velas coloridas, incensos dos mais variados cheiros, leques, um preto e um branco, que já bailaram em minhas mãos em alguma festa perdida no tempo.

Seguro a caderneta de endereços, já amarelada, sabe-se lá por quantas andanças registrados por esse mundo afora, são Marias e Josés, tantas histórias, tantas vidas.

Me deparo com uma caixa de madeira, suspiro, que excitante, e ao abri-la como mágica voam estrelas de papel cortado, um nariz de palhaço, sais de banho energizantes, que me fazem lembrar por onde andei. Divago no tempo e me pergunto por que não resgatar essas andanças.

Porém volto ao meu baú carregado de moedas e notas de dinheiro já sem nenhum valor e com a sensação de um pirata, rio, achando graça na minha ousadia de navegante.

Num êxtase, chego ao ápice das sensações. O tempo pára e com cuidado, toco no objeto de minha adoração. Um barquinho de papel, com alguns escritos, eu sei bem do que se trata.

Meu coração bate mais forte, suspiro, quase esqueço de voltar a respirar e desdobro o origami com todo o cuidado para não estragar. Leio emocionada:

“D. você não pode imaginar o quanto eu sinto falta de almoçarmos juntos, eu preciso conversar contigo e não consigo. Estou precisando muito de você e do seu carinho. Te amo. V.”

Ouço minha respiração ofegante, esse sentimento forte ainda mexe comigo, sinto o corpo estremecer, as mãos geladas, a pele quente.

Teclo no aparelho telefônico o número registrado na proa do barco, surpresa ouço a voz forte atendendo. Controlo a emoção e respondo.

Daí em diante, restou-me pegar os sais de banho, velas coloridas, incensos e viver uma noite maravilhosa. Mais uma noite maravilhosa.

Compartilhe

Inspiração

Sou deveras saudosista, guardo coisas em uma "caixinha de Pandora" que me remetem à tempos passados com muita alegria. Assim, transformei meu hobby em conto, rendendo-me ao encanto desta obra.

Sobre a obra

Fiz alguns cursos de escrita, o que me deu base para colocar idéias no papel.
Gosto muito de leitura, cinema, conversa entre amigos. Viajo bastante, conhecendo lugares e culturas diferentes. Tudo isso agregado, resulta em obras que na oportunidade compactuo com as pessoas.

Sobre o autor

A escrita já faz parte do meu cotidiano, desde a juventude quando fazia anotações em meu diário, escrevia bilhetes, cartas. Agora aposentada, fico bem mais livre para fotografar, escrever e viajar por este mundo afora.
Trabalhei na CEF por 26 anos, atuei em várias unidades. Criei meus três filhos, hoje aproveito a companhia dos meus quatro netos.

Autor(a): DEA CHRISTINA DE LIMA CANAZZA (Déa Canazza)

APCEF/SE