Talentos

FRIA E FINA FESTA

FRIA E FINA FESTA

Ontem fui a uma festa; festa de bacanas: políticos, juízes, desembargadores; socialites, e gente comum como eu, que estava ali por força do acaso ou do parentesco.

As mulheres estavam impecáveis em seus vestidos longos e salto alto. Parecia a entrega do Oscar. Os vestidos com muito brilho (embora ainda fosse dia), os cabelos armados, sustentados por laquê, muitas joias e imitações...

Contrariando toda a elegância, surgiu no corredor uma bela loira apertada em um vestido magenta revelando as costas e as curvas. De saltos finos e altos, andava bailando suavemente. Os cabelos dourados balançavam com sincronismo.

Estava um pouco acima do peso; mas estava muito bonita. Passeava de um lado para outro querendo chamar a atenção. E conseguiu!

Era uma solenidade do judiciário; o prédio imponente, o salão amplo e sóbrio com seus móveis de madeira escura trabalhados por exímio artesão; os corredores compridos e largos onde as pessoas que não couberam no salão conversavam sobre futilidade.

A sobriedade dos homens de ternos escuros e mulheres elegantemente vestidas, mais uma vez foi quebrada por outra loira, esta de saia curta e transparente. Era ainda mais bela e jovem que a primeira. As mulheres, na maioria de meia idade, olhavam com indignação e inveja; os homens, com curiosidade e cobiça.

Eram as únicas pernas à mostra naquele ambiente, e essas bem torneadas e esguias convidavam os olhos mais castos a mirá-las. Os olhos aceitavam o convite e agradeciam. Era uma bela visão.

A cerimônia demorou muito, os discursos longos com linguagem rebuscada, despertavam em alguns, admiração; em outros, tédio. Dava para distinguir claramente os dois sentimentos no rosto e na atitude das pessoas.

Alguns olhavam insistentemente para o relógio, como que querendo mover os ponteiros com a força do pensamento; outros, menos polidos, bocejavam sem sequer disfarçar.

Horas depois, finalmente encerrou a cerimônia. As pessoas se apertavam para cumprimentar falsamente os homenageados que sequer conheciam, outros tiravam fotos com sorriso forçado.

Embora estivesse rodeado por pessoas do meu convívio, senti-me deslocado e triste com a frieza daquele lugar. Não pelo prédio de chão de granito e esquadria de alumínio anodizado, mas principalmente com a frieza das pessoas que ali estavam.

Tudo parecia artificial: o excesso de maquiagem, as roupas alugadas, a linguagem empolada, as joias emprestadas... Menos as loiras, que deram um toque de humanidade àquele lugar.

Compartilhe essa obra

Share Share Share Share
Inspiração

Uma cerimônia que fui de posse do meu irmão no judiciário. Resolvi escrever o que vi.

Sobre a obra

Fui na posse do meu irmão como juiz, e tinha muita gente e eu fiquei no corredor. Comecei observar tudo em volta, e mais tarde me veio a inspiração para escrever.

Sobre o autor

A arte está no meu DNA, toco instrumentos musicais, desenho, já me aventurei pela escultura e pintura, e amo escrever.

Autor(a): EDIO WILSON DE SOUZA SANTOS (Pena D'ouro)

APCEF/ES