Talentos

QUE BOM QUE VOCÊ OLHOU PARA AS ESTRELAS

QUE BOM QUE VOCÊ OLHOU PARA AS ESTRELAS

Em um dia comum na “Cidade dos Pequenos Anjos”, onde viviam todos os anjinhos que um dia se tornariam bebês, todos brincavam e se divertiam alegremente como sempre.
Ali era um lugar de muita paz, beleza e alegria, onde todos se amavam, respeitavam e conviviam de forma fraterna.
A missão dos anjinhos é muito importante, quando uma mulher, na Terra, ficava grávida, seu filho seria preenchido da graça e de vida por um deles. Cada anjinho estava pronto para isso e sua determinação era invejável, visto que eles deveriam percorrer um longo caminho até a Terra, sua cidade ficava longe, em outro planeta, e eles, na hora certinha deveriam ir voando rápido para a Terra.
No meio de todos esses anjinhos existia um ou uma especial, não por ser melhor ou pior que os outros, mais porque tinha uma centelha a mais de curiosidade, ela se perguntava muitas coisas e a mais importante para ela era:
- Eu olho para o céu e só vejo a Terra, nosso planeta maravilhoso que habitaremos em breve para tentar torná-lo sempre um lugar melhor, mas porque eu só vejo ela, em nossos estudos “Anjos estudam muito na Cidade dos Anjos, tudo que precisam saber sobre o lugar da Terra para onde estão designados”, podemos ver o céu e as estrelas e existe noite e dia, aqui é sempre tudo tão igual.
Esse espírito puro e inquieto estava sendo preparado para preencher de vida e alegria uma família que aguardava ansiosa por um bebe, e vivia em uma pequena cidade ao sul do Japão, e o dia estava perto.
No dia da partida, ela estava pronta, e quando foi dado o sinal ela saiu voando firme e confiante, mas ao ultrapassar os limites do planeta, parou de repente, via pela primeira vez, o que entendeu como sendo a “noite” e muitos, na verdade milhares de pontos brilhantes e coloridos, e olhou girou, olhou mais, e contemplou, “ELA PAROU PARA OLHAR AS ESTRELAS”.
Na cidade dos anjos, ninguém tinha notado, ninguém esperava, nenhum anjo antes havia feito isso. Quando perceberam gritaram, “VAIIIII, VAIIIIII”, e então ela foi, mas a Terra girou e ela seguiu seu trajeto retilíneo e rápido.
Do outro lado do mundo, no Brasil, uma jovem família, ela Artesã e ele recém aprovado em um concurso de um banco estatal cuja marca mais conhecida é um X azul e laranja, receberam a notícia de que aguardavam seu primeiro bebê.
O bebê nasceu, cresceu e hoje 09 anos após seu nascimento é uma linda menina brasileira apaixonada pela cultura oriental, seu nome é Letícia que significa “Pura Alegria”, um nome que caiu como uma luva nesse pequeno anjo de Deus.
Para quem está se perguntando sobre a família do Japão, não se preocupem, os anjinhos são extremamente adaptados, 12 horas depois olha o Japão ali de novo, e o anjo que seria mandado para o Brasil foi para lá. Ficou tudo certo, apenas temos uma brasileirinha que gosta de sushi e uma japonesinha que gosta de pão de queijo uai.

Compartilhe essa obra

Share Share Share Share
Inspiração

A Letícia, minha filha, sempre demonstrou gosto pela cultura oriental(japonesa), e uma dia brincando com ela eu imaginei que ela seria uma japonesa em espirito mas que nasceu no Brasil.

Sobre a obra

Então comecei a esboçar mentalmente esse "Conto", que recitei a ela e ao final eu disse: - QUE BOM QUE VOCÊ OLHOU PARA AS ESTRELAS. Nesse momento ela sorriu, me deu um beijo e me abraçou forte. Foi um momento bem especial para mim.

Sobre o autor

Meu nome é Márcio Reis da Rocha Valério, tenho 33 anos. Eu gosto de pensar em textos e as vezes e os escrevo, porém não me considero talentoso. Acho que escrevo bem textos acadêmicos. Com bom Capricorniano, meu lado Lírico não é muito desenvolvido, rsrsrs

Autor(a): MARCIO REIS DA ROCHA VALERIO (Márcio Valério)

APCEF/MS

Obra não está disponível para votação.