Talentos

RUMO E APRUMO

RUMO E APRUMO


Sigo sem rumo pisando na areia

Olhos fechados, escuro, sem rumo

Crianças deparo crescendo

São conchas pequenas.



Aprumo, sem rumo, sem nada

Viajo nas águas salgadas

Espuma de sal

Mormaço, aprumo

De olhos fechados, sem rumo

Pra onde chegar!



Areia macia

O que importa?

Agora, presente

É rumo viver

Caminhar

Que seja sem sol

Com sal

Com conchas pequenas

É rumo, e rumo

Aprumo destino.

Compartilhe

Inspiração

Caminhando na praia, em certo momento perdido no tempo, pensando num destino à seguir. Coisas da vida.

Sobre a obra

Poema melódico, contendo rimas, com um pouco de trava lingua.

Sobre o autor

A poesia, a escrita, a arte, já fazem parte do meu cotidiano, desde a juventude. Agora aposentada, fico bem mais livre para fotografar, escrever, me inspirar por este mundo afora.
Trabalhei na CEF por 26 anos, atuei em várias unidades. Criei meus três filhos, hoje aproveito a companhia dos meus quatro netos.

Autor(a): DEA CHRISTINA DE LIMA CANAZZA (Déa Canazza)

APCEF/SE


Essa obra já recebeu 7 votos