Talentos

Valsinha


Trago que a alma draga feito uma adaga em nosso coração
O barco que a gente naufraga tem um capitão
Covarde, tirano
Insano e barde
Há de tal engano findar em um motim
No alto mar, um trampolim

Um salto de olhos bem abertos onde a gente queira
Um passo, outro passo, e já não há fronteira
Eles não passarão

Travo que a carne afaga como uma chaga na palma da mão
O amargo que nos embriaga vem de um varão
Espúrio, insensato
De fato um perjúrio
Injurio, desacato não tarda a ter fim
E a gente vai cantar assim

Um canto de olhos bem abertos onde a gente queira
Um canto, outro canto, e já não há fronteira
Eles não cantarão

Um passo, outro passo
Um canto, outro canto
Um passo
Um canto

Compartilhe essa obra

Inspiração

Roubando uma frase de Belchior, a inspiração foi a experiencia com coisas reais.

Sobre a obra

Sempre fui apaixonado por valsas. Essa é segunda valsa que inscrevo no Talentos. Não existe uma técnica especifica para compor. No caso da Valsinha, letra e música foram sendo construídas ao mesmo tempo.

Sobre o autor

Transpiração de modo obsessivo, e na maioria das vezes achando que a fonte secou.

Co-Autor(es)
Intérpretes

RAQUEL AFONSO GOMES | APCEF/CE

Integrantes
Autor(a): PAULO ROBERTO PEREIRA DE ARAUJO (Paulo Araujo)

APCEF/CE