Talentos

Flores e Heavy Metal


Ao que primeiro minha pele marcou
Como simples identidade do que sou
Sou prazer fecundo do querer fetal
Sou flor, mas também sou heavy metal

A quem meu solo fértil tornou terra devastada
E prisioneira, tornei-me presa em garras afiadas
Mas destruí as correntes de minha prisão ancestral
E pulverizei com flores e heavy metal

Não queira me ver perdida e rendida
Morta nas suas mãos e ferida
Em minhas mãos desfaço morte, refaço vida
Encravo sorte, respiro e inspiro sobrevida

Em minha mente perdida, não tens convite
Ela gera sombra, numa luz que ainda existe
Neste escuro apenas sons cortam o silêncio sepulcral
São cortes de espinho de flores, gritos de heavy metal

Marque eternamente até o próximo acorde
Discorde da perseverança indistinta
E exista como sopro frágil do amanhecer
A sonhar... a viver... e morrer

E não me defina pelo que olhas mal
Não me vejas com fátuo retrato igual
Leias pelo toque em minha pele imortal
Deificada com flores, adornada de heavy metal

Compartilhe essa obra

Share Share Share Share
Inspiração

A poesia traz uma dicotomia que não deveria existir na prática, somos feitos de grito, mas também de beleza.

Sobre a obra

A ideia é trazer a construção e a vida, em duas versões distintas, mas que se tornam apenas uma ao fim das contas.

Sobre o autor

Autor de seis livros e escritor por insistência.

Autor(a): THULIO PHELIPE ANDRADE DO NASCIMENTO (Thulio Phelipe)

APCEF/PB

Obra não está disponível para votação.