Talentos

No tempo dos quintais



No Tempo dos Quintais
(Sivuca e Paulinho Tapajós)

Era uma vez
Um tempo de pardais
De verde nos quintais
Faz muito tempo atrás
Quando ainda havia fadas
Num bonde havia um anjo pra guiar
Outro pra dar lugar
Pra quem chegar sentar
De duvidar, de admirar
Havia frutos num pomar qualquer
De se tirar do pé
No tempo em que os casais
Podiam mais se namorar
Nos lampiões de gás
Sem os ladrões atrás
Tempo em que o medo se chamou jamais
Veio um marquês de uma terra já perdida
E era uma vez se fez dono da vida
Mandou buscar cem dúzias de avenidas
Pra expulsar de vez as margaridas
Por não ter filhos, talvez por nem gostar
Ou talvez por mania de mandar
Só sei que enquanto houver os corações
Nem mesmo mil ladrões
Podem roubar canções
E deixa estar, que há de voltar
O tempo dos pardais
Do verde dos quintais
Tempo em que o medo se chamou jamais

Compartilhe essa obra

Share Share Share Share
Inspiração

A bela execução do autor e outros que a interpretaram, e sua descrição de tempo memorável: crenças, gentilezas, frutos no pomar, namoro sem medo, sob a luz de lampião.
Como todo conto, inicia com o Era uma vez(passado). Tempo preterido pela ambição, pelo concreto que expulsa a natureza, mas enquanto houver corações, haverá esperança e canções.

Sobre a obra

Gravação em home studio, voz e violão e, posteriormente, arranjo da Casa Capello.

Sobre o autor

Amante da música regional, nacional, pela execução de vozes cantadeiras, patrimônio cultural nas várias regiões do país, até o mais rebuscado no canto erudito. Aprendizado constante.

Co-Autor(es)
Intérpretes

REGINA CARLA CAMPOS | APCEF/CE

Integrantes
Autor(a): REGINA CARLA CAMPOS (Regina Carla Campos)

APCEF/CE